Origem

Seleccionadas pela natureza através dos tempos, três raças da região Sudeste de França: Garonnaise, Quercy e Blonde dês Pyrenees, fundiram-se e, em 1962 deram inicio à denominação da raça BLONDE D’AQUITAINE.

Tendo os seus ancestrais sido escolhidos para trabalho de tracção animal numa região como os Pirinéus, com grandes amplitudes térmicas (-10ºC até +40ºC), relevo bastante acidentado, escassez de vegetação, solos pobres e pedregosos a raça BLONDE D’AQUITAINE formou-se produzindo animais de grande resistência e rusticidade, condicionantes à própria sobrevivência.

As carências nas forrageiras locais determinaram para a raça um excepcional comportamento ajustando-se a qualquer regime alimentar, com elevado índice de conversão e transmitindo esse potencial aos seus descendentes.

Nessas condições adversas teve origem a raça BLONDE D’AQUITAINE, herdando uma enorme resistência e desenvolvimento corporal, com massa muscular abundante, comprida e arredondada, características excepcionais para uma RAÇA DE CARNE.

Essas foram as principais razões da BLONDE D’AQUITAINE se ter adaptado, perfeitamente, às nossas exigentes condições climatéricas e à realidade portuguesa de criação em regime extensivo, superando, neste contexto, as demais raças exóticas introduzidas no país.